“Chip” vai identificar cães e gatos em Oliveira


O município de Oliveira foi selecionado para participar do “Programa Estadual de Microchipagem Conheça seu Amigo”, lançado pela Subsecretaria de Gestão e Saneamento (SUGES) da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (SEMAD). Em todo o Estado foram selecionadas 74 cidades, por terem cumprido o regulamento do Edital SEMAD 03/2021. O objetivo é identificar cães e gatos castrados pelo município através de microchips. O registro das informações dos animais e tutores será cadastrado no banco de dados estadual, a ser lançado em breve.

O Programa prevê a entrega de microchips e de leitores de microchips pelo Estado aos municípios selecionados. Os chips serão usados em cães e gatos provenientes de comunidades de baixa renda; em situação de rua que participem de algum programa de controle reprodutivo municipal; de animais para adoção sob tutela de Organizações da Sociedade Civil e de áreas prioritárias de superpopulação animal.

Por meio de nota, o vereador Sirley Clécio da Silveira (PDT) lembrou que, em dezembro de 2021, solicitou à Secretaria Municipal de Saúde, por meio de requerimento, para que cadastrasse a cidade no Programa. “Acredito que este é o primeiro passo para elaborarmos o censo animal de nossa cidade e fortalecermos as políticas públicas em prol da proteção dos animais”, argumentou o parlamentar.

O superintendente de Gestão Ambiental, Diogo Franco, disse que inicialmente o previsto era atender 50 municípios, mas, por meio de esforços da SUGES, foi possível ampliar esse número para 74, resultando em cerca de 63 mil microchips e 74 leitores (um para cada município). Para cada microchip doado, as cidades terão como contrapartida esterilizar o número equivalente de animais e preencher o banco de dados estadual de microchipagem, que será disponibilizado aos municípios.

“A identificação e o registro são partes importantes em um programa de manejo ético de populações de cães e gatos. Conforme a Organização Mundial para Saúde Animal (OIE) essa ação permite o monitoramento do tamanho da população, o dimensionamento de animais nas vias públicas, o cálculo da taxa de sobrevivência, o manejo ambiental e a identificação dos tutores, funcionando como importante ferramenta para o planejamento urbano, para o bem-estar animal e para o combate ao abandono de animais”, pontua o subsecretário de Gestão Ambiental e Saneamento, Rodrigo Franco.

(Com informações daAgência Minas)


6 visualizações0 comentário