Decreto proíbe eventos até depois do Carnaval

Sem festas e sem aglomerações nas ruas

Diante do aumento do número de casos de Covid-19 em Oliveira, o comitê municipal de enfrentamento da doença se reuniu na segunda-feira (25) e definiu ações para conter o avanço da variante Ômicron. A principal decisão foi a suspensão de todos os eventos públicos e privados no período de 26 de janeiro a 7 de março, logo depois do Carnaval. Também foram determinadas restrições em relação ao número de frequentadores em bares, restaurantes e similares. A iniciativa, que não atingiu as igrejas, gerou reclamações de quem trabalha no setor de eventos.

As restrições definidas pelo comitê estão contidas no decreto 4.542/2022, de 25 de janeiro de 2022, publicado no diário oficial eletrônico do município na mesma data. Além da suspensão de festas de aniversários, casamentos e shows artísticos, o comitê deliberou que as reuniões familiares entre pessoas que não habitem a mesma residência podem ser realizadas, desde que seja respeitado o número máximo de dez pessoas presentes que possuam vínculo familiar. Para as academias de ginástica deve ser respeitado o espaço de dois metros para cada pessoa e os campeonatos de futebol podem ter jogos, porém sem a presença de público nos estádios.

Com relação aos bares e restaurantes, deve ser mantido o distanciamento mínimo entre as mesas de 1,5 metro, com no máximo seis pessoas por mesa. Também fica proibida a realização e promoção de qualquer show, apresentação artística, exibição ao vivo ou acústica. O comitê determinou, ainda, a proibição de utilização de mesas nas vias públicas, sendo a infração punível conforme dispõe o decreto. Apesar dessas restrições, fica permitida a realização de cerimônias religiosas de casamentos, uma vez que não houve alteração quanto à presença de pessoas em igrejas e demais templos religiosos.

As decisões foram motivadas pelo aumento do número de casos e pela ocupação de leitos de enfermaria do Hospital São Judas Tadeu. De acordo com o secretário municipal de saúde, Lucas Lasmar, essa situação tem preocupado as autoridades do município e profissionais da saúde. Ele apresentou números que apontam esse aumento e observou que o quadro tem sobrecarregado as unidades de saúde do município, em especial o Pronto Atendimento Municipal (PAM) e a Unidade Básica de Saúde (UBS) Graças e Triângulo, que vêm realizando atendimentos no período noturno, para pacientes com sintomas gripais.

Lucas informou que a fiscalização será intensificada em estabelecimentos comerciais da cidade, com a exigência do uso de máscaras, de álcool em gel e outras medidas de segurança. O secretário observou que em caso de agravamento da situação, outras medidas podem ser adotadas para evitar o avenço da doença. A princípio, o comitê também manteve a data de início do ano letivo nas escolas da cidade para o dia 7 de fevereiro.

Sobre o tema leia o editorial “Recuo estratégico”, na página 2 desta edição.


2 visualizações0 comentário