top of page

Profissionais da enfermagem de Oliveira vão às ruas em repúdio a suspensão do piso salarial


Movimento deve reunir mais de 100 pessoas - Foto: Reprodução/Google

Os profissionais da enfermagem de Oliveira estarão nas ruas da cidade nesta sexta-feira (09) para repudiar a decisão liminar do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, de suspender o piso salarial nacional da classe.


O piso da categoria criado no Congresso Nacional é uma medida justa destinada a um grupo de profissionais que se notabilizaram na pandemia e que têm suas remunerações absurdamente subestimadas no Brasil.


Em 14 de julho deste ano, o Congresso promulgou a Emenda Constitucional (EC) 124 para possibilitar que uma lei federal instituísse os pisos salariais nacionais para enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem e parteiras. Já em 4 de agosto foi sancionada a respectiva norma, a Lei 14.434, de 2022.


A decisão de Barroso foi concedida no último domingo (04) no âmbito da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 7.222. O jurista deu prazo de 60 dias para que entes públicos e privados da área de saúde informem o impacto financeiro do piso salarial, assim como os riscos para a empregabilidade na área e a possibilidade de eventual redução na qualidade dos serviços prestados na rede de saúde.


O ministro afirmou ser plausível o argumento de que o Legislativo aprovou o projeto e o Executivo o sancionou sem cuidarem das providências que viabilizariam a sua execução, como, por exemplo, o aumento da tabela de reembolso do SUS à rede conveniada. Essa decisão provisória (liminar) será levada ao plenário virtual do STF, em data ainda não confirmada.


A ADI foi apresentada ao STF pela Confederação Nacional de Saúde, Hospitais e Estabelecimentos e Serviços (CNSaúde) que questiona a constitucionalidade da Lei 14.434, de 2022. A norma definiu que enfermeiros devem receber pelo menos R$ 4.750 por mês. Técnicos de enfermagem fazem jus a no mínimo 70% disso (R$ 3.325) e os auxiliares de enfermagem e parteiras a pelo menos 50% (R$ 2.375).


Enfermeiros, técnicos, auxiliares e estudantes devem se reunir às 13h na Praça XV de Novembro, no centro de Oliveira. A coordenação do movimento estima a participação de mais de 100 pessoas, que seguirão para a área hospitalar em silêncio e depois retornarão à praça da Igreja Matriz.


(Com informações da Agência Senado)

0 comentário

Comentários


bottom of page